domingo, 21 de junho de 2009

Meus pés!



Meus pés cresceram esperando algum conforto de uma palmilha compreensiva e só encontrou saltos agulhas que os torturavam pedindo uma cadeira.

Depois de alguns calos, se conformou em calçar havaianas maiores que o número esperado e embora não ampliassem minha altura, me levavam aos mesmos lugares por onde andavam couros das mais variadas espécies.

Aprendi a me divertir com minhas havaianas. Cresci tanto na companhia delas. Apaixonei-me tanto, usei tanto e também digo que elas me usaram: conheceram pés maiores por baixo das mesas, dividiram caminhos com outras havaianas e depois da intimidade, sonharam futuros comuns, lugares comuns, calos comuns...

Era de se esperar: minhas havaianas amarelas, de tanto bailar, se gastaram.
Poderia procurar outra, no número certo, de outra cor, novo modelo...,mas não, eu queria aquela, aquela que confortou meus pés por tanto tempo, me levou a lugares nunca habitados e que sempre estavam ali depois de um dia terrível de trabalho...

Não me livrei de minhas havaianas. Elas, no entanto, não suportaram mais o peso de meus pés, a rotina, o tédio...e era tudo tão maravilhoso na idéia de meus pés...
Partiram. Partiram rumo ao desconhecido...que saudade!

Meus pés...

...Acalmem-se. Concluam o caminho que seguiam. Sonhem sonhos mais coloridos, mais vibrantes...Novas coleções sempre aparecem, aliás, o inverno vem chegando, não precisarás mais de seus chinelos velhos...

Ai meus pés...

...Mesmo descalços doem tanto...



(Duane Valentim)

Um comentário:

  1. ola
    passei por aqui e achei legal...
    bom texto menina!
    se quiser depois passe lah no meu blog..
    (aaaa... sou o bixo da letras, tals...)
    enfim...
    alexandresansao.blogspot.com
    bjos

    ResponderExcluir